Minha experiência com um gato de estimação

By | 19:16:00 Leave a Comment
Eu sempre tive cachorros. Desde que me conheço por gente, sempre tive um cachorrinho pra chamar de meu. Isso foi o que me deixou muito próxima dos animais. Aos seis anos de idade, um poodle apareceu no portão da minha casa e se tornou o meu melhor amigo, mas isso é assunto para um outro post. Hoje vim aqui para falar dos gatos.

Os gatos são animais de estimação há muitos anos, isso é fato. Como disse, sempre tive cães e nunca demonstrei muito interesse pelos felinos. Até um dia em que no caminho de volta para casa, passei em frente a um Pet Shop que tinha filhotes para doação. Todos os dias passava por lá e parava pra olhar, e todos os dias ligava pra minha mãe e pedia pra pegar um. Ela disse que ia pensar... E eu levei um pra casa! Se ela ia pensar, é porque ia deixar. Ninguém diz que vai pensar e depois diz não.

Quando minha mãe chegou, ele já estava lá. Vacinado, com cama, caixinha de areia, ração, e um nome! Dei pra ele o nome de Tozzi e, mais pra frente, acrescentei Tornado. Tozzi Tornado, esse galã da foto. 

Tozzi Tornado com 3 anos de idade.

Não tenho experiência com outros gatos, então tenho que falar dele. Desde pequeno o Tozzi é muito ativo. Ele escalava a tela das janelas, subia no armário, de lá se jogava em cima da geladeira, depois no fogão... Corria pro quarto e repetia os procedimentos no guarda-roupa, cômoda, cama. Sempre foi assim. Ah, e ele até gostava de mim. Depois que foi castrado, todas essas coisas mudaram.

Foi muito sofrimento pra ele, eu confesso. O veterinário que escolhemos não foi profissional, judiou do meu bichinho o dia todo e ele chegou em casa no fim da noite bem depressivo. Depois desse dia, ele nunca mais foi o mesmo comigo. Acho que perdeu a confiança, os bichos têm disso também. E foi com razão, afinal, eu quem o levei. E até hoje ainda sinto essa falta de confiança, pois ele não ataca ninguém aqui de casa, nem as visitas, nem as crianças que puxam o rabo e as orelhas dele, só eu. 

Às vezes vou pra fazer um carinho, e nunca tenho certeza se ele vai ronronar ou tentar me matar. Mas é assim mesmo, acredito que os outros gatos sejam da mesma forma.

Mas ele não é só ruim, não! Ele é um doce, muito amável com as outras pessoas. Dorme de conchinha com meu irmão, pede colo, também dá carinho e às vezes uns beijos também. É um animal muito carente.. E eu não sei se isso é só com o Tornado, ou com os outros também. 

Uma coisa que não adianta, é gastar dinheiro com brinquedos, arranhadores e caminhas caras! Eles preferem uma bolinha de papel ou a tampinha de uma garrafa, arranham o sofá e as camas e dormem no seu pé ou em cima da televisão a noite toda. 

Eles são animais extremamente higiênicos. Vivem se lambendo em todos os lugares, não tem cheiro ruim e, apesar do meu ir todo mês ao Pet Shop, não é necessário que tomem banho sempre. A não ser que vivam na rua... Mas o meu fica em apartamento, então realmente não tem com o que se sujar.

Outra vantagem, é que eles aprendem muito rápido a usar a caixinha de areia! Quando tive meu último cachorro, Haroldo, ele demorou mais de um mês pra entender onde tinha que fazer suas necessidades, e ainda assim, vez ou outra fazia no lugar errado. Com o Tozzi, assim que chegou em casa, foi fazer xixi no chão. Eu o peguei no colo e coloquei dentro da caixinha de areia, depois disso nunca mais errou. Ele fez 5 anos ontem e nunca fez xixi no lugar errado.

Às vezes nós brincamos de pique-esconde juntos. Ele se esconde atrás de alguma coisa e, quando eu passo, pula em mim e sai correndo. Repete esse mesmo procedimento por vários minutos, até cansar e ir dormir. 

A maioria dos gatos, pelo que li na internet, dormem durante o dia e são ativos durante a noite. Mas o Tozzi dorme durante o dia e dorme durante a noite também. As poucas horas que passa acordado, passa me infernizando a vida, arranhando os móveis, miando pra ganhar um sachê de Whiskas (que ele ama e é completamente viciado), rolando na água do chuveiro, jogando minhas coisas pra fora da cômoda e brincando de futebol com elas... 

Ah, ele também é meu serviço de despertador gratuito, inclusive nos fins de semana e feriados. Todos os dias me acorda e só para de miar quando eu me levanto. Não sei o motivo, mas se eu volto a dormir, ele volta a miar. 

Passo muita raiva, às vezes prefiro os cães, mas eu gosto dele. E sei que no fundo ele também gosta de mim. 
Postagem mais recente Postagem mais antiga Página inicial